174 online
Luzia Magalhães Cardoso Ver Perfil
Nasceu a 26 Março 1961
(Rio de Janeiro)

 
Fim de Estação
Folhas secam e caem dos galhos,\ colorindo o caminho. 
O outono, já grisalho,\ esgotado, sai sozinho. (Glosa)
 
Abre a vida a própria roda.\ Sem paradas, não tem freios.
Corre e escorre, à sua moda.\ Gira, e tudo se acomoda.
Estações vêm sem rodeios,\ abrem e fecham os atalhos,
com ou sem a luz da lua,\ lapidando os cascalhos.
Nas árvores, lá da rua,\ folhas secam e caem dos galhos.\\
Enfeitada, a calçada\ pinta e borda os meus sonhos.

Quebro a máscara, na estrada.\ Vou sem peso, vou sem nada,
só com o manto que disponho,\ e que dele desalinho.
Já não brigo com as sombras \ que retiram, como linho,
do meu corpo, frágeis fibras, \ colorindo o caminho.\\
Uma copa acinzentada \ falou alto, aos meus olhos,

que a noite, atordoada, \ escondeu a madrugada,
nesse corpo que eu encolho,\ ao calor que amealho;
que a brasa que eu queimava \ é o pó onde me espalho.
E, solene, me entregava \ o outono, já grisalho.\\
De repente, de uma estrela \ não mais vi o seu reflexo.

Apagou-se, logo aquela, \ cujo brilho, na janela
dava à vida outro nexo.\ Nem o lago, adivinho,
entendia que o destino \ sussurrava, num cantinho,
que o planeta, matutino,\ esgotado, sai sozinho.

Luzia M. Cardoso
Poema classificado e publicado na coletânea 
11º CONCURSO DE POESIAS DA UNIVERSIDADE SÃO JOÃO DEL REI /MG/2011.
 

Seguinte
1 gostam
Guardar nos seus Favoritos
3 comentários
Rating
4
Visto
535