299 online
manoelserrao1234 Ver Perfil
Nasceu a 19 Abril 1960
(São Luis - Maranhão)

Perfil Nome completo: Manoel Serrão da Silveira Lacerda. Idade e naturalidade: Nasceu em São Luís [Atenas Brasileira] capital do Estado do Maranhão, na Santa Casa de Misericórdia, em 19 de abril de 1960. Filiação: Filho de Agamenon Lucas de Lacerda e de Oglady da Silveira Lacerda. Neto paterno de Manuel Lucas de Lacerda e Maria Antônia Lucas de Lacerda; neto materno de Hidalgo Martins da Silveira e Maria José Serra da Silveira. Ascendência geral de espanhóis e portugueses judeus. Profissão: Advogado e Professor de Direito, formado pela Faculdade de Direito do Recife - UFPE, curso criado pela Carta Lei de 11.08.1827 - publicada em 21.08.1827 - Chancelaria Mor do Império do Brasil, que no passado acolheu dois presidentes: Epitácio Pessoa, em 1886 e Nilo Peçanha, em 1887. Acolheu outros nomes, os quais enriqueceram a nossa cultura como: Rui Barbosa. Joaquim Nabuco. Fagundes Varela. Castro Alves. Tobias Barreto. Clóvis Bevillaqua. Silvio Romero. Adolfo Cisnes. Assis Chateaubriand. Agamenon Magalhães. Luís Câmara Cascudo, e tantos mais. Origem Poética: “No princípio tudo era o Caos e nele habitava a Origem. Cansada de tanto reter essência desejou a Vida, eclodiu e deu espírito e forma a matérias diversas: Ordenando, harmonizando e gerando o Cosmos - espaço de convívio dos seres. Do Silêncio original explodiu o Verbo - relâmpago e voz do Desejo - princípio gerador da Criação. Criou-se o mundo. Nele habita o homem lutando por re-atualizar este ciclo Mítico poeticamente. Percebendo sua função restauradora, habita o mundo consciente de que o “homem é o pastor do ser, e o Poeta da linguagem.” (BUZZI, 1995, p. 12) Este, sábio artífice da língua celebra o ofício do viver em linhas medidas e contadas, tecidas Em pontos perfeitos; unidas por palavras, sons e pena. Se criar é gerar o equilíbrio, Ordenar e multiplicar divide o poeta com os deuses o status de criador. Agora, Duplamente caracterizado enquanto divino e humano, procura através do seu canto Integrar os simples mortais ao âmbito do sagrado, fazendo-os embriagarem-se pelo Degustar da ambrosia dos mortais - a Poesia. E não contente em aproximá-los dos Deus busca ainda o repatriamento ao solo fértil da Origem. A Poesia, trindade Fundadora do homem guarda em seu corpo a forma: poema, verso; no seu espírito o Conceito - conteúdo do pensar; e na sua alma, a fenda - espaço das possibilidades. Ler Poesia é permitir o lançar-se à abertura descobrindo sua paixão originária, é constatar-se próximo dos deuses e merecedor da embriaguez do provir. Criar não é dominar a criatura, mas sim, permitir sua exposição aos limites da Manifestação. Tanto o poeta quanto os deuses podem ser esquecidos pelo homem, mas ainda assim, continuarão a existir no espaço da fenda... Existir é ser homem, criar É ser Deus. ... O rumo que escolhemos para a consecução deste objetivo trilha os passos da Semiologia, “(...) ciência que estuda a vida dos signos no seio da vida Social.” (SAUSSURE, s.d., p. 24), ou seja, procuramos o dinamismo da linguagem, suas possíveis representações e sempre suas articulações no mundo. Levantar os sentidos e possibilidades de leitura é tarefa do semiólogo imbuído de buscar um sistema Semiológico, ou como nos diz Barthes, a Semiologia seria a parte da Linguística “que se “Encarregaria das grandes unidades significantes do discurso.” (BARTHES, 1993, p. 13). Legitimada assim por esta ciência optou por uma investigação semiológica onde o Signo é de vital importância, na qual não apenas valorizamos a simples relação Significante/significado, mas também procuramos uma cadeia de significantes”. [prof.ª. Me. Viviane Siqueira (UNISUAM/ Simonsen/ SINPRO-RIO). Dimensionar a origem do berço poético do autor, assim como a dimensão e a importância do Maranhão para a cultura nacional pedimos vênia para transcrevermos um pequeno trecho da obra do imortal membro da Academia Maranhense de Letras o professor Jomar Moraes, intitulada - Apontamentos de Literatura Maranhense - edições sioge - nota bene: "Sem receio de qualquer exagero chauvinista diríamos que a presença do Maranhão na literatura nacional se caracteriza, principalmente, pelo vanguardismo que sempre colocou nossos homens de letras à frente dos debates das novas ideias e da renovação de padrões estéticos. Do negrismo de Trajano Galvão ao neoconcretismo de Ferreira Gullar; do ideário estético e nacionalista de Gonçalves Dias às antecipações modernistas de Sousândrade; da lucidez analítica de João Francisco Lisboa ao ensaísmo da Franklin de Oliveira e Oswaldinho Marques; dos estudos folclóricos de Celso Magalhães ao romance naturalista de Aluísio de Azevedo; dos estudos de Nina Rodrigues à renovação estética pregada e apoiada por Graça Aranha, tudo revela e comprova a clara vocação de pioneirismo e liderança que assinala uma das mais características e importantes facetas da nossa participação na cultural nacional". Complementando o brilhante rol, podemos citar ainda Arthur Azevedo; Catulo da Paixão Cearense; Bacelar Vianna; Bandeira Tribuzi; Padre Antônio Vieira [Sermão aos Peixes]; Odorico Mendes; Sotero dos Reis; João Francisco Lisboa; Gonçalves Dias; Sousândrade; Gentil Homem de Almeida Braga; Custódio Alves da Pureza Serrão [Frei]; Trajano Galvão; Josué Montello; Nauro Machado; José Sarney; José Chagas; José Maria Nascimento; Lima Coelho, Mel, Laura Amélia Damous; Roberto Kenard; Antônio Carlos Alvim; Ademar Danilo; João Carlos; João Otávio; Guaracy Brito; Joaquim Haickel; Lenita Sá; Luís Carlos Cordeiro; Maristela Sena; Paulo Melo Sousa; Resende; Roberto Fernandes; Ronaldo Reis; Vinicius Nagem; Wagner Alhadef; José Henrique Santos [Bois]; César Teixeira; Fauzi Beydoun; Luís Augusto Cassas; Celso Borges; Fernando Abreu; Garrone; Ribamar Filho; e muitos tantos outros. Resumo destas últimas considerações: O poeta é um altruísta que evidencia as Sete Virtudes derivadas do épico Psychomachia, poema escrito por Aurélius Clemens Prudentius intitulando a batalha das boas virtudes e vícios malignos, posto que através da prática dessas virtudes seja que se neutraliza se opõe, e se tem a proteção contra os Sete Pecados Capitais, mormente, no combate, sempre, sempre contra a Inveja, a Ganância, a Ignorância, a Ira, a Tirania, o Desrespeito e a falta de Ética.
 
OUTDOOR [POETRIX] [Manoel Serrão]




No post-it,
O leve love que era NOTE?

Em outdoor ficou enorme!
 

Seguinte
Clique se gosta
Guardar nos seus Favoritos
Comentar
Rating
1
Visto
11