314 online
Calex Fagundes


 
Noturno vermelho
esta noite beberei
o vinho de tua taça
e deixar-me-ei levar
pelo que insinuas

mergulhar-te-ei
em mentiras tuas
mais absurdas
cruas, de todo

entregar-me-ei
ao idílio, filho
etílico do vício
teu desde o início

quererei perder-me
em teus meandros
e lençóis bordados
instinto dos portais

tintos tais, profanos,
dos vinhos mais carnais
derramados tais
sobre os panos

teu espírito em reflexo
à taça jazente semi-plena
entre nós, circunflexo
laço, boca, cena

e a vaga-luz difusa
as mentes deixadas
ao acaso dos desejos
ensejos do porvir

e a luz desnecessária
entrega-se à noite
e o absinto de Netuno
afoga-nos em humores

quem eu? quem tu?
na comunhão de sentidos
na integração de fluídos
quem somos?


Seguinte
Clique se gosta
Guardar nos seus Favoritos
1 comentários
Rating
2
Visto
583